20 março 2011

Inconvenientemente agradável

Desde crianças ouvimos o termo puxa-saco.
Em dias de aniversário é tradição (ou pelo menos na minha época era) entregar o primeiro pedaço de bolo e ouvir a musiquinha: o cordão dos puxa-sacos cada vez aumenta mais...blim blom
Engraçado, não é? No Rio tem isso!
E assim, mesmo ainda pequenos passamos a ter uma sutil ideia do que é o "puxasaquismo", que numa visão infantil é encarada como agradar a quem se gosta.

Conforme vamos crescendo entendemos que  puxar-saco tem uma conotação pejorativa e é totamente diferente de um agrado,  pois algumas pessoas começam a bajular exaustivamente com o interesse de receber algo em troca.

Na minha opinião,  bajulação geralmente é uma atitude vinda de pessoas superficiais, não confiáveis e que buscam conseguir seus objetivos a qualquer preço, mesmo que isso signifique não ser sincero.
Adoro elogiar e receber elogios, adoro ser reconhecida e reconhecer o valor das pessoas.
Detesto ser envolvida em joguinhos de interesses e sei identificar um bajulador à distância!

Infelizmente continuamos a conviver com pessoas que têm esse comportamento durante a vida toda e, que ao invés de focarem suas energias no aprimoramento pessoal, na sua formação ou qualificação profissional, preferem dissimular seu real caráter no meio em que convivem, tentando levar alguma vantagem.

Cada um tem seu talento, suas aptidões, seu tempo e seu espaço no mundo, mas que nossas conquistas sejam sempre pelo mérito, jamais pela atitude reprovável do sentimento fingido e da insistência, que é bem diferente da persistência!
Que tenhamos sempre sabedoria para diferenciar esses seres e afastá-los de nossas vidas!

Em nome da lealdade,
Amém.

Beijos, tenham um ótimo domingo.



.