16 fevereiro 2011

Síndrome de Lady Kate (SLK)

Mais uma breve explicação para um imenso post.
Volto a tocar no assunto de que quando criei este blog foi com o intuito de desabafar minhas insatisfações.
Mas ele foi crescendo e mudando um pouco de rumo, aumentou o número de seguidores e como tudo na vida, me faz sempre repensar antes de comentar alguma coisa, pois pode estar atingindo as pessoas que tenho contato diretamente ou aquelas que carinhosamente visitam meu espaço.

Porém, ontem aconteceu um fato que tornou impossível pra uma pessoa como eu, que tem pavio curto, controlar seu ímpeto de extravasar.

Portanto vou começar meu post com um desabafo:

Eu detesto gente que melhorou de vida e ficou esnobe.
Sim, o famoso emergente!

Como se mede a classe social?
É como se tem acesso ao consumo, à renda, moradia e educação.

Mas quem sempre teve dinheiro não precisa ficar provando isso.
Nota-se pela sua atitude, comportamento, jeito de falar e tratar as pessoas, por sua elegância natural, e claro,  pela sua vasta cultura, por sua inteligência e modo de se expressar.
(Não necessariamente que os únicos íntegros e cultos tenham sido sempre ricos, ou que não se possa adquirir bons modos e refinamento ao longo da vida)

Aquele que gosta de ficar divulgando seus bens 'a la Lady Kate', de forma vulgar e contando vantagens é o emergente, pois nunca teve nada e precisa se auto-afirmar a todo instante para  mostrar a todos que ele não pertence mais à classe D ou E.

Geralmente ele passa a consumir exclusivamente coisas de grifes caras e, se possível com logomarcas bem grandes na tentativa de divulgar seu poder aquisitivo.
Não, eu não sou contra grifes, Não sou contra  o luxo e nem contra o consumo, eu adoro!
Mas sou contra aqueles que fazem uso disso apenas pra contar vantagens, como meio de mostrar ao mundo o 'eu posso'.
Desmerecendo  alguns e supervalorizando outros simplesmente pela procedência.

E não tem nada pior do que ficar ouvindo comentários esnobes, de gente que há bem pouco tempo era suburbano, assalariado, pegava ônibus e só comprava coisas em lojas populares, concordam?

Agora, sabe o que mais me irrita?
É constatar a ignorância desse comportamento sendo  repassado aos seus herdeiros, como se fosse uma regra de status.
O orgulho quando fala que seus "ensinamentos" foram absorvidos por eles, quando na minha opinião, não passa de um comportamento desprezível!

Não tenho paciência pra debater e dialogar com esse tipo de gente que distorce os valores das pessoas,  transforma o prazer de ter dinheiro, conforto e a possibilidade de desfrutar a vida em melhores condições, em total  pobreza de espírito!

As minhas amizades são conquistadas pela afinidade, afeto e jamais pelo dinheiro que por ventura um possua a mais que o outro, e isso jamais será parâmetro na escolha de quem participa do meu convívio.

Então  pra finalizar, eu digo àqueles que pensam que estão arrasando quando saem por aí contando aos quatro ventos a sua vida financeira:  Tenha muito cuidado! Pois a mim você não impressiona, mas tá cheio de ladrões e aproveitadores no mundo que ficariam felizes em saber tudo que você adora divulgar!

ha ha ha (risada de desprezo)

Beijos