14 abril 2010

A tal ressonância magnética de crânio...

Para investigar a enxaqueca e todos os seus sintomas reunidos de uma só vez,  precisei me submeter a um exame de ressonância magnética.
Cheguei ontem na clínica com todas as recomendações em dia: Não usar maquiagem, não ir de cabelos molhados, não usar nada de metal e jejum de 2 horas.

Já achei muito complexo porém não imaginava o que ainda me esperava.
Existe um questionário com o nome: Termo de autorização e responsabilidade de ressonância magnética, onde você precisa responder algumas perguntas referentes aos sintomas que levaram o médico a solicitar o exame, assim como perguntas sobre a saúde: tem hipertensão, diabetes...? Tá, coisa básica.
E outras como: Tem maquiagem definitiva ou tatuagem, DIU ou prótese peniana? Eu hein, o que isso tem a ver!?
Enfim, achando cada vez mais estranho, após a leitura atenciosa do formulário cheguei na parte cômica (ou seria dramática?)

Eis que consta no termo:

"IMPORTANTE- Dependendo da parte do corpo a ser examinada, o uso do contraste pode ser necessário para aumentar a visibilidade de certos tecidos ou vasos sangüíneos. O contraste empregado não utiliza iodo, apresentando mínima agressão renal e baixo índice de complicações.
Possíveis reações de hipersensibilidade ao meio do contraste:

leves: Sensação de calor e dor, náuseas e vômitos.. (pensei: beleza! nada demais!)
Moderadas: Urticária, espirro, tosse irritativa, dispnéia leve e outras manifestações como calafrios, sudorese e tontura.. (pensei: nossa! a coisa tá piorando!)
Graves: Dor torácica, dispnéia grave, taquicardia, hipotensão, cianose, confusão e perda da consciência, podendo levar ao óbito. "(pensei e nesta hora falei: Nooossa...! tô assustada!)

Isso é "baixo índice de complicação"??
Fui orientada que tratava-se apenas de questões burocráticas e nada aconteceria.
Não convencida dos "baixos riscos" já comecei a gelar!

Entra na salinha, coloca a roupinha, responde mais algumas perguntinhas, senta na maquinha....
Ai, tô com medo! disse à enfermeira.
Tentando sempre me tranqüilizar e muito solícitas explicaram que nada aconteceria que nunca haviam presenciado nada grave descrito no tal termo.

Eu pensava comigo mesma: Que mico, que vergonha,  deixa de ser medrosa e anda logo! Pára de se explicar todo mundo vai rir de você...
Enquanto era orientada do procedimento meu raciocínio borbulhava...E se eu tiver a reação grave??

O medo tomou conta e amarelei...

Não quero usar o tal contraste! disse.
Muitos argumentos vieram pra me convencer do contrário.
Ciente de que o resultado do exame poderá ser comprometido pela ausência desta substância segui em frente com o meu "não quero".

Vexame.......mico........ahhhh! Eu sei que fui o assunto do dia naquela clínica...hahaha
Mas antes pagar mico e estar aqui pra contá-lo, que assinar meu próprio "atestado de óbito"...
hahahaha

Agora é esperar pra ver...E será que vai dar pra ver? hahaha