16 novembro 2009

Cenas de noticiário

No tradicional engarrafamento em direção ao Centro no horário pós praia, a lentidão do trânsito te faz olhar para os lados, foi neste momento que em frente a um boteco uma movimentação de homens como se estivessem "brincando" chamou nossa atenção.
Porém imediatamente percebemos que não era uma brincadeira, que aquele "agarramento" era uma briga.
Meu marido dirigia, estávamos há  pouquíssimos metros da confusão e a cena nos subiu o sangue.
Havia um indivíduo que era covardemente agredido. Dois homens o esmurravam, um deles agia com um ódio assustador!
O trânsito foi andando, abri a janela e comecei a gritar de dentro do carro: "Pára, pára...para com issoooooooooo!!!!!!!"
Foi juntando gente....ninguém fazia nada! Ninguém tomava nehuma atitude!
E o agressor chutava  o rosto do homem inúmeras vezes já ensanguentado e caído ao chão, com uma violência que nunca tinha visto antes, apenas nas reportagens de mesmo teor.
Estávamos muito nervosos e na tentativa de fazer alguma coisa pra impedir meu marido jogou o carro na calçada em cima do homem que agredia. A vítima já estava caída e desacordada.
"Covarde!" Vou chamar a polícia"
TODOS, TODOS olhavam a cena, o boteco estava cheio de homens que assistiam de bem próximo e nada fizeram pra impedir.
Eu gritava, tremia muuuito e ao mesmo tempo com muito medo que o agressor tentasse fazer algo contra nós. Ele só parou depois que o nosso carro se aproximou, nos olhou fixamente e adentrou o bar.
Não lembro de presenciar algo tão chocante.
Agora vem a segunda parte...... Comecei insistentemente a ligar  190 pra relatar o ocorrido.
Levei aproximadamente 10 minutos pra conseguir completar a ligação!
Tempo suficiente pro agressor fugir!

E ainda tenho dúvidas se eles foram ao local.
Que raivaaaaaaa.........que ineficiência!! Que sentimento de impotência!
Parecia uma briga de bar.
Na hora você  não lembra de saber quem está certo ou errado, só lembra das imagens que assiste pela TV e tenta defender a vítima "lavando a alma" por todos os demais casos.
Foi muito triste!